logo

top

imagemlandscape

BASES DA COMUNHÃO1

Espírito

Cada movimento ou comunidade tem o seu fim específico. Os carismas que Deus lhes confiou representam a Sua resposta às necessidades dos nossos tempos . Cada um deles projeta uma luz vinda do Espírito Santo como resposta a uma ‘noite’ particular da nossa época. Na primeira Carta aos Coríntios , Paulo descreve como deve ser o relacionamento entre os carismas para tornar Cristo visível. Não conta, portanto, a grandeza ou a extensão de um movimento ou de uma comunidade, mas o facto de ser portador de um dom do Espírito e de entrar em comunhão com os outros. Os Movimentos e Comunidades que fazem parte desta comunhão são expressão carismática predominantemente leiga do povo de Deus.

Cultura de colaboração

Cada movimento ou comunidade – fiel ao próprio carisma e à própria vocação - colabora, onde e quando é possível, em prol de objetivos comuns, de acordo com o empenho tomado com as mensagens finais de “Juntos pela Europa” 2004 e 2007. A nossa colaboração pode incluir também eventuais projetos promovidos por um movimento singularmente ou por alguns movimentos, por um determinado tempo, livremente e conforme as disponibilidades próprias de cada movimento. Não se trata de uma unidade organizativa nem de uma nova estrutura, mas de uma comunhão de amigos em Cristo.

Os “Amigos de Juntos pela Europa”

São os responsáveis de movimentos e comunidades cristãs, dos diferentes países europeus; a convite da Comissão orientadora realizam encontros anuais nos quais procuram atualizar-se reciprocamente sobre os desenvolvimentos da comunhão e tomam decisões sobre eventuais iniciativas comuns. À luz do carisma recebido, os “Amigos” aprofundam em cada encontro anual, um desafio importante do continente europeu, para discernir como fazer frutificar os seus próprios carismas pelo bem da humanidade.

A comunhão no plano nacional e nas cidades

Os “Amigos de Juntos pela Europa” promovem a comunhão e a colaboração a nível nacional onde se organizam enquanto comissão nacional e comissões locais (cidades). A comissão nacional e as comissões locais realizam encontros periódicos, antes de mais para crescer na comunhão, e depois para programar atividades, nomeadamente conferências temáticas no âmbito dos 7 SIMs.

A Comissão orientadora

Os membros da Comissão orientadora são, normalmente, os responsáveis centrais de um movimento ou de uma comunidade; vivem em profunda comunhão entre si, para serem modelo para todas as realidades de comunhão entre os movimentos e as comunidades; guardam e promovem o “espírito” e as “experiências e a cultura da colaboração”.
A Comissão orientadora prepara os encontros dos “Amigos de Juntos pela Europa” e segue com simpatia e encoraja cada iniciativa de comunhão na Europa e no mundo, com este espírito.


1Ler mais em “ Bases da Comunhão entre Comunidades e Movimentos cristãos"

Notícias

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7
  • 8
  • 9

Agenda

Sem eventos


  • SIM à Vida

    Dizemos SIM à vida e empenhamo-nos a defender a sua dignidade inviolável em todas as suas fases, da concepção à conclusão natural.



  • SIM à família

    Dizemos SIM à família ligada por um pacto indissolúvel de amor entre homem e mulher, raiz de uma sociedade solidária e aberta ao futuro.



  • SIM à criação

    Dizemos SIM à criação, protegendo a natureza e o ambiente, dons de Deus a serem tutelados com empenho respeitoso pelas gerações presentes e futuras.



  • SIM à solidariedade

    Dizemos SIM à solidariedade para com os pobres e os marginalizados, próximos e distantes; são os nossos irmãos e irmãs. Pedimos aos nossos governos e à União Europeia que se empenhem com decisão a favor dos pobres e do desenvolvimento dos países desfavorecidos, em modo especial da África.



  • SIM à paz

    Dizemos SIM à paz e empenhamo-nos para que nas situações de conflito se possa chegar a um entendimento e à reconciliação, através do diálogo. Sem a paz o nosso mundo não tem futuro.



  • SIM à responsabilidade

    Dizemos SIM à responsabilidade para com a sociedade e trabalhamos para que as cidades se tornem, com a participação de todos , lugares de solidariedade e de acolhimento a pessoas de origens e culturas diferentes.



  • SIM a uma economia justa

    Dizemos SIM a uma economia justa, ao serviço de cada pessoa e de toda a humanidade.

  • 1
  • 2
  • 3
  • 4
  • 5
  • 6
  • 7